Monitoring deforestation in the Amazon rainforest

This micro-site aggregates data on deforestation in the Amazon from several sources. The most timely data comes from Brazil: specifically Brazil’s National Institute for Space Research (INPE) and Imazon, a Brazilian NGO.

Narrative context on these issues can be found at Mongabay’s Amazon rainforest section as well as Mongabay’s regular news reporting on the Amazon in English, Brazilian Portuguese, and Spanish. Recent headlines from these sites can be found at the bottom of this page.

Sections

This site is organized into sections:

Monthly deforestation charts – late update Nov 8, 2019


 

Recent news

English

  • Amazon deforestation paces ahead of recent historical norm
    on December 10, 2019 at 11:39 pm

    - Deforestation in the Brazilian Amazon is continuing to pace ahead of recent historical norms, reveals data released by Brazil’s national space research agency INPE.- INPE’s satellite-based short-term deforestation detection system has recorded 8,683 square kilometers of forest clearing since January 1, 79% higher than a year ago.- According to INPE, forest clearing since August 1 has amounted to 4,217 sq km, 111% of last year’s tally.- The new figures come less than a month after the Brazilian government published a preliminary estimate for deforestation for the year ended July 31, 2019.

  • Evidence ‘unfounded’ against NGO volunteers accused of setting Amazon fires
    on December 9, 2019 at 12:50 pm

    - The Amazonian town of Alter do Chão in Santarém municipality, Pará state, Brazil attracts 190,000 tourists annually. A battle between environmentalists (wanting to preserve the area’s forests), and land grabbers (wanting to construct high-rises and other profitable infrastructure), has been raging there for many years.- As part of the wave of fires sweeping the Amazon this year, widespread blazes were set in the Alter do Chão Reserve. In the wake of the fires, police surprisingly arrested four members of Brigada de Alter, an NGO. The four are volunteer firefighters who helped put out September’s blazes.- Mongabay has acquired police arresting documents revealing what lawyers say is “unfounded” and flimsy evidence. Police claimed the four set the fires with the intent of taking photos and selling them to the World Wide Fund for Nature.- While the investigation is ongoing, analysts say land grabbers had the best motive for setting the fires. However, critics add, the police focus on the NGO is in line with President Jair Bolsonaro’s ongoing campaign of rhetoric discrediting Brazilian and international socioenvironmental NGOs and undermining their work in the Amazon.

  • Amazon’s giant South American river turtle holding its own, but risks abound
    on December 6, 2019 at 1:52 pm

    - The arrau, or giant South American River turtle (Podocnemis expansa), inhabits the Amazon and Orinoco rivers and their tributaries. A recent six nation survey assessed the health of populations across the region in Brazil, Colombia, Venezuela, Ecuador, Bolivia, and Peru.- The species numbered in the tens of millions in the 19th century. Much reduced today, P. expansa is doing fairly well in river systems with conservation programs (the Tapajós, Guaporés, Foz do Amazonas, and Purus) and not so well in others (the Javaés and Baixo Rio Branco, and the Trombetas, even though it has monitoring).- The study registered more than 147,000 females protected or monitored by 89 conservation initiatives and programs between 2012 and 2014. Out of that total, two thirds were in Brazil (109,400), followed by Bolivia (30,000), Peru (4,100), Colombia (2,400), Venezuela (1,000) and Ecuador (6).- The greatest historical threat to the arrau stems from eggs and meat being popular delicacies, which has led to trafficking. Hydroelectric dams and large-scale mining operations also put the animals at risk — this includes mining noise impairing turtle communication. Climate change could be the biggest threat in the 21st century.

  • Amazon primates face barriers in responding to climate change
    on December 3, 2019 at 3:41 pm

    - Climate change will make the current ranges of most Amazon primates uninhabitable in the coming decades, forcing them to move.- But primates face barriers to dispersal, such as rivers and deforestation, which can limit their ability to migrate.- If species aren’t able to find new habitats, the populations, as well as the habitat they support, will suffer.

  • Brazilian president claims Leonardo DiCaprio funded Amazon fires
    on November 30, 2019 at 2:00 pm

    - Brazilian president Jair Bolsonaro claims actor and environmentalist Leonardo DiCaprio funded fire-setting in the Amazon rainforest.- Bolsonaro offered no evidence to support his claims, but his rhetoric echoes comments made in August when he blamed environmental groups for starting fires in the region.- DiCaprio has raised money for NGOs working to protect the Amazon.- Deforestation has increased dramatically since Bolsonaro assumed office.

Spanish

  • Los tapires podrían ser la clave para recuperar las selvas degradadas

    - Un nuevo estudio ha descubierto que los tapires amazónicos pasan más tiempo en los bosques degradados que en la selva prístina del Amazonas.- Los resultados indican que los tapires podrían ayudar a que los bosques afectados por los humanos se recuperen y vuelvan a crecer.

  • Artículo de opinión: ¿cómo evitar que la verde Amazonía se convierta en una extensa sabana?

    - En la década de 1970, los científicos descubrieron que la mitad de las precipitaciones de la Amazonía se generan por la evaporación y transpiración de la vegetación. También observaron que la creciente deforestación disminuiría ese fenómeno que produce lluvias. Todo lleva a pensar que el punto crítico de transformación de la Amazonía en sabana está muy cerca.- Los reconocidos científicos Tom Lovejoy y Carlos Nobre sostienen que es esencial generar un margen de seguridad al mantener el nivel de deforestación por debajo del 20 %. Para evitar llegar al punto de inflexión, Brasil tiene que controlar firmemente la deforestación y sumar a eso esfuerzos de reforestación.

  • Las cámaras trampa del Proyecto Providence revelan los misterios de la Amazonía de Brasil

    - En Brasil, los investigadores Emiliano Esterci y Michel André revolucionan la forma de observar la biodiversidad con cámaras trampa y captan impresionantes vídeos de en la Amazonía.

  • Proyecto Providence: monitoreo en tiempo real que integra imágenes y sonidos de la Amazonía

    - El proyecto busca monitorear por primera vez toda una reserva protegida en tiempo real.- El reto consiste en integrar el paisaje sonoro con las imágenes capturada por las cámaras trampa.

  • Temer firma ley que podría causar la pérdida de millones de hectáreas de la Amazonía

    - La MP 759, convertida en ley por el presidente Temer y poco difundida por la prensa, altera de manera significativa el programa brasileño Terra Legal, introducido por el presidente Lula en 2009 —un programa que ya ha sido apropiado por los usurpadores de tierras, sostienen los críticos—.- La nueva ley presenta múltiples vacíos legales para permitirles a los usurpadores, quienes han ocupado ilegalmente y deforestado amplias áreas de tierras públicas amazónicas, que legalicen sus tierras con facilidad y a bajo costo.- La MP 759, entre otras cosas, incrementa de mil quinientas a dos mil quinientas hectáreas la tierra exigible mediante Terra Legal, permite que los acaudalados usurpadores de tierras continúen pagando muy poco por estas y ofrece lo que en realidad es una amnistía para los que se apropiaron de tierras públicas de forma ilegal entre 2004 y 2011.- Al haber sido los organismos reguladores y de ejecución gubernamentales duramente afectados por fuertes recortes presupuestarios, los analistas temen que la aprobación de la MP 759 conduzca a un alarmante aumento de la violencia rural, que ya está sucediendo a niveles elevados.

Portuguese

  • APA no Pará queima para abrir caminho ao agronegócio

    - A APA Triunfo do Xingu, no Pará, perdeu 22% de sua cobertura florestal entre 2007 e 2018. E os números deste ano indicam que a taxa de desmatamento vem aumentando. - O aumento do desmatamento, impulsionado em grande parte pela pecuária, faz parte de uma tendência cada vez maior de avanço sobre áreas protegias na Amazônia Legal. Ambientalistas atribuem esse movimento à política anti-conservacionista de Jair Bolsonaro. - Com o desmatamento se espalhando, retalhando a área em fragmentos menores de vegetação, ativistas de direitos humanos temem que se torne cada vez mais difícil para as comunidades indígenas dependentes da floresta sobreviverem dentro dela. - É provável que o desmatamento tenha um impacto de longo alcance na biodiversidade da região, que abriga inúmeras espécies de plantas e animais não adaptados a viver em áreas com temperaturas mais altas e menos vegetação.

  • Documentos revelam provas infundadas contra brigadistas de Alter do Chão

    - A prisão de quatro bombeiros voluntários da ONG Brigada de Alter, no fim de novembro, chamou a atenção nacional para uma batalha que vem acontencendo há décadas no chamado “Caribe Amazônico”: de um lado, grileiros e segmentos do setor imobiliário interessados em construir grandes empreendimentos na orla; do outro, ambientalistas e empresas de ecoturismo insistindo no crescimento sustentável. - Em setembro, a APA Alter do Chão – área de floresta primária que cerca o balneário – ardeu por quatro dias com os incêndios que devastaram diversas regiões da Amazônia. A polícia prendeu os quatro brigadistas alegando terem sido os responsáveis pelo fogo – quando justamente eles estiveram entre os que ajudaram a apagar as chamas. - A Mongabay obteve acesso ao documento de inquérito da polícia que revela o que advogados dizem ser provas fracas e “infundadas”. A polícia alega que os quatro brigadistas começaram os incêndios com a intenção de tirar fotos e vendê-las à Rede WWF (Fundo Mundial para a Natureza). - Embora a investigação ainda esteja em andamento, analistas dizem que quem teria razões reais para atear fogo na floresta seriam os grileiros. Uma delas seria a de culpabilizar e difamar ONGs locais – uma iniciativa em plena concordândia com a retórica inflamatória do presidente Bolsonaro.

  • Povos isolados têm terras invadidas por grileiros no Pará

    - A Terra Indígena Ituna/Itatá, no Pará, abriga diversos grupos de povos isolados, que dependem da floresta ao redor para sobreviver. - No entanto, cada vez mais pessoas têm ocupado e desmatado terras para agricultura e mineração. Autoridades brasileiras estimam que cerca de 10% do território tenha sido invadido e destruído ilegalmente apenas este ano, e dados de satélite mostram que o desmatamento ainda está aumentando. Devido à expansão de tais incursões, Ituna/Itatá agora é considerada a terra indígena mais desmatada do Brasil. - Ainda que os ataques a terras indígenas no Brasil aconteçam há décadas, ativistas afirmam que o forte aumento do desmatamento e da apropriação de áreas em Ituna/Itatá este ano está intimamente ligado ao novo presidente. Bolsonaro também lançou um ataque aberto à Funai, a agência governamental encarregada de proteger os interesses indígenas no Brasil. - O Ibama respondeu ao ataque à TI Ituna/Itatá com pelo menos cinco operações na área, entre 2018 e 2019. No entanto, o impacto em longo prazo parece ser limitado: poucas semanas após a última repressão, ativistas e fontes locais relatam que os grileiros voltaram a desmatar a floresta.

  • Especialistas culpam Bolsonaro por desmatamento e alertam: pior está por vir

    - Entre agosto de 2018 e julho de 2019, um total de 9.762 km² de floresta primária foi desmtado na Amazônia brasileira, de acordo com dados divulgados na semana passada pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). - A área, equivalente à Região Metropolitana de São Paulo, representa a maior taxa de desmatamento em 11 anos. - Especialistas contatados para esta matéria disseram à Mongabay que o aumento de 30% do desmatamento no ano passado pode ser ainda maior nos próximos meses, devido à falta de fiscalização e à derrubada de grandes áreas antes dos incêndios registrados em agosto e setembro de 2019. - O aumento do desmatamento é resultado direto das ações do presidente Jair Bolsonaro, que desmantelou agências e políticas ambientais com o objetivo de abrir áreas protegidas da Amazônia ao agronegócio e à mineração, segundo os especialistas.

  • Governo nega, mas novos dados de desmatamento confirmam “efeito Bolsonaro” (comentário)

    - Números preliminares recém-divulgados sobre o desmatamento na Amazônia referentes ao período de agosto de 2018 a julho de 2019 mostram um aumento de 29,5% em relação ao ano anterior. Foram derrubados 9.762 quilômetros quadrados de floresta, mais do que o dobro da taxa de 2012, ano em que o desmatamento voltou a crescer após um notório período de declínio. - Apesar do aumento do desmatamento, o governo de Jair Bolsonaro afirma que o crescimento é normal e semelhante a outras altas de desflorestação registradas várias vezes desde 2012. Contudo, críticos apontam o discurso do governo e a desregulação ambiental como parte do “efeito Bolsonaro”, que levou ao desmatamento desenfreado. - A defesa do governo não leva em consideração que os novos dados cobrem apenas o período até julho. Em agosto de 2019, a taxa de desmatamento cresceu 222% em relação ao mesmo período de 2018; em setembro, o crescimento foi de 96%. O “efeito Bolsonaro” completo sobre o desmatamento só será verificado quando o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) revelar os números totais em novembro do ano que vem. - Até agora, o governo não fez nada para mudar sua retórica inflamada ou suas políticas antiambientais, então há motivos suficientes para esperar que os níveis de desmatamento do Brasil continuem a subir. Este texto é um artigo de opinião. As ideias expressas aqui são as do autor, não necessariamente as da Mongabay.